Avaliação físico-química e biológica de nanoemulsão contendo clotrimazol como alternativa terapêutica para o tratamento de candidíase vulvovaginal
Capa Revista Cientifica BJHP V2 N1 2020
PDF

Palavras-chave

nanoemulsão
clotrimazol
candidíase vulvovaginal

Resumo

A candidíase vulvovaginal é uma infecção de alta incidência, atingindo 75% das mulheres adultas. No entanto, os microrganismos desenvolvem mecanismos de proteção, e por isso, é importante o desenvolvimento de estratégias. O objetivo do presente estudo foi o desenvolvimento de formulação nanoemulsionada contendo clotrimazol (CTZ) visando o tratamento tópico da candidíase vulvovaginal. As nanoemulsões (NE-CTZ) foram preparadas pelo método de temperatura de inversão de fase e caracterizadas em relação ao diâmetro hidrodinâmico médio (DHm), índice de polidispesividade (PdI), potencial Zeta (pZ), Eficiência de Encapsulação (EE), Espectroscopia no Infravermelho Médio (FT-MIR), morfologia, citotoxicidade em linhagem de fibroblastos (NHI/3T3) e atividade antifúngica frente às cepas de Candida albicans sensível (ATCC 24433) e resistente à múltiplas drogas (ATCC 10231). O DmH das nanoemulsões foi de aproximadamente 260 nm, com PdI característico de sistemas monodispersos (~ 0.3) e pZ de -26 mV. As nanoemulsões propiciaram elevada incorporação do CTZ (EE ~ 100%) e os ensaios de FT-MIR puderam corroborar a encapsulação desse ativo. As análises morfológicas mostraram nanogotículas com tamanho semelhante ao encontrado para o DHm e com formato arredondado irregular. No ensaio de viabilidade celular foi constatado que em todas as concentrações testadas (4,8-0,15μg/mL) a nanoemulsão demonstrou menor potencial citotóxico quando comparada ao fármaco livre. Em relação aos ensaios antifúngicos, a NE-CTZ apresentou atividade inibitória frente às cepas testadas na faixa de concentração de 4,8- 0,6μg/mL (referente ao CTZ). Pelo exposto, a formulação desenvolvida apresenta características físico-químicas e biológicas promissoras para utilização no tratamento da candidíase vulvovaginal, sobretudo nos casos de resistência antifúngica a outros fármacos azólicos.

PDF